A sinalização digital (ou digital signage) é uma das tendências mais recentes que vem surgindo como alternativa às mídias tradicionais, amparadas nas tecnologias de exibição mais recentes. Consiste na formação de uma rede de displays digitais, que são gerenciados de forma centralizada e coordenada, seja em sincronia ou não, exibindo informações segmentadas, com temas variados de interesse do público alvo, e operando como um canal de merchandising e propaganda.

As principais aplicações da sinalização digital incluem a veiculação em pontos de espera (TV corporativa, em salas de espera em empresas, hotéis, bancos, instituições de ensino, hospitais, etc.), pontos de venda (para a promoção de produtos), e em pontos de trânsito (ambientes com pessoas em circulação, como transporte coletivo, elevadores, estações, terminais e aeroportos).

A sinalização digital se diferencia das mídias tradicionais pelo seu forte dinamismo, e por sua capacidade de prender a atenção do público, enquanto mescla informações e entretenimento com os anúncios e as mensagens de merchandising. Além disso, através da sinalização digital, é possível segmentar o público, até mesmo aproveitando o mesmo espaço com informações para perfis de pessoas diferentes de acordo com o horário e o fluxo de deslocamento (trabalhadores em um horário, estudantes em outros, por exemplo).

Mas como é a operação de um serviço de sinalização digital? A tecnologia atual faz com que essa seja uma atividade muito mais simples do que aparenta, bastando para tanto contar com as ferramentas corretas. É claro que fontes seguras e confiáveis de bom conteúdo são necessárias, mas desde o advento dos canais RSS, isso se tornou uma commodity. O dinamismo de informações fornecidas consegue facilmente capturar a atenção dos usuários. Junto a essas informações dinâmicas, que podem inclusive contar com vídeos e pequenas vinhetas, vêm a publicidade, que deve ser rápida o suficiente para não perder a atenção do usuário, mas profunda o bastante pra passar a sua mensagem de forma clara e efetiva. O uso de recursos como QR codes pode ser uma forma de permitir que o usuário capture rapidamente a informação que se deseja transmitir.

Existem hoje diversas formas de se atuar com digital signage. Até a pouco, a forma mais comum era a operação proprietária de um sistema desse tipo, com o desembolso direto da empresa que desejava usufruir do serviço para atender interesses próprios, normalmente corporativos ou relacionados ao negócio da empresa, como no caso de redes varejistas.

Outra possibilidade é o aluguel do sistema, onde a empresa que deseja utilizar o digital signage contata os serviços de uma empresa fornecedora, que opera o sistema e cobra tipicamente por ponto utilizado. Nesse caso, existe oportunidade para o controle do conteúdo ou apenas inserção de conteúdo de interesse próprio, com o restante do conteúdo sendo gerenciado pelo operador do sistema.

Uma das formas mais comuns de uso do digital signage na atualidade, entretanto, é a venda de espaço publicitário, onde ocorre o pagamento por inserção de anúncios. Muito comum em pontos de trânsito, permite que as empresas interessadas em se beneficiar da tecnologia contratem a inserção do anúncio diretamente do operador do sistema.

Essas formas de atuação permitem diversos modelos de negócios, com várias formas práticas de se ganhar dinheiro. A criação de uma rede de digital signage, com a captação de anunciantes, é uma das formas mais rápidas e eficientes de faturamento, com um ponto de equilíbrio médio de 6 meses. De fato, o crescimento do setor em 2014 foi próximo a 10%, um dos maiores do mercado brasileiro de mídia, conforme apontado pelo relatório  do Projeto Inter-Meios.

Com tantas possibilidades e oportunidades, a sinalização digital tornou-se uma oportunidade à espera de quem a explore. Para quem busca uma oportunidade de investimento, com um retorno rápido e seguro, o digital signage é certamente uma das melhores opções!

Este post foi útil para você? Comente e compartilhe!

Consultor Virtual 4YouSee