A revolução tecnológica mudou a forma como nos relacionamos, trabalhamos e consumimos. Atualmente os consumidores estão mais conscientes e procuram mais sentido nos produtos que compram. Porém, mesmo que as empresas invistam bastante em ações de comunicação e marketing, é no ponto de venda que o resultado é comprovado.

Com o fácil acesso à informação, as pessoas já saem de casa com a lista de compras definida e sabendo quanto, em média, irão gastar. Mas um estudo recente, realizado pela empresa de pesquisa de mídia Nielsen, revelou que os consumidores têm ido menos vezes aos pontos de venda, porém gastam mais do que o esperado a cada visita. Ou seja, quando estão na loja descobrem e decidem comprar outros produtos. Essa mudança de comportamento abre uma nova oportunidade para que as empresas invistam em ações para tornar o ponto de venda (PDV) mais eficaz.

Confira 5 dicas para inovar no ponto de venda:

Interatividade

Os displays interativos — que permitem que as pessoas toquem na tela e conheçam mais sobre os produtos e serviços da empresa — também possuem grande apelo no ponto de venda. As telas sensíveis a toque já fazem parte do nosso dia-a-dia e são naturalmente atraentes. Quando inseridas no PVD, oferecem uma experiência diferenciada para os clientes

A famosa rede de fast food McDonald’s está investindo nos displays digitais desde 2015, o primeiro teste foi nos Estados Unidos. Em 2017 a novidade chegou a São Paulo e hoje já está presente em diversas unidades espalhadas pelo Brasil. Por meio  dos totens interativos, os clientes podem pedir a comida e realizar o pagamento. Essa tecnologia trouxe uma grande contribuição na gestão das filas. 

Os consumidores estão se tornando mais práticos e procuram evitar situações que tomem muito tempo. As telas de autoatendimento surgiram como uma boa solução para otimizar o tempo. Veja como funciona no  vídeo:

Ainda falando de praticidade e interatividade, outra ideia interessante é poder entrar em uma loja e já saber onde os produtos estão. Isso pode facilitar muito o processo de compra. A interatividade digital ajuda as pessoas a encontrarem o seu caminho e pode ser facilmente aplicada em lojas para fazer um mapeamento dos produtos e oferecer mais informações a respeito dele.

QR Code

Não é novidade que o QR Code está cada vez mais presente na vida dos consumidores. Até mesmo os bancos já estão investindo na tecnologia para realizar pagamentos pelo celular. Funciona como um código de barras que pode ser lido com um smartphone, revelando ao cliente informações disponibilizadas pela empresa. Eles podem ser impressos em cartazes ou colocados em telas digitais.Além de tornar a experiência de compra diferenciada, também podem ser usados para criar interações entre a marca e os clientes.

A Ford promoveu uma ação inédita na final do The Voice Brasil. Por meio de um QR, exibido pelo apresentador do programa, o público pode entrar no site exclusivo de uma promoção, com três ofertas de veículos da marca. Em poucas horas mais de 220.000 pessoas entraram no site.

Uma outra interação legal é feita pela QR-Store, marca de roupas e acessórios. Neste caso, os código são impressos nos próprios produtos como camisetas, canecas e aventais. Quando são escaneados encaminham para um página que revela mensagens ocultas. É uma ótima estratégia para brincar com o consumidor e atrair visitantes para seu site. 

Explorando os sentidos

Ainda que a visão seja responsável por atrair grande parte dos clientes que passam pelo ponto de venda, muitas lojas também podem inovar apelando para outros sentidos.  O Marketing Sensorial  é usado para criar um ambiente mais convidativo para os consumidores. Consiste em estimular os cinco sentidos: tato, olfato, paladar, visão e audição. 

As lojas de roupas e de móveis já usam muito essa estratégia com músicas. Mas a ideia pode ser expandida para criar novas interações. Já imaginou uma loja onde os clientes podem sentir diferentes cheiros a medida que interagem com um display que possui informações sobre os produtos? Ou então um ponto de venda que executa gravações de voz ou músicas, que se alternam automaticamente à medida que o cliente se aproxima de um item específico.

A Dunkin’ Donuts é uma das marcas que apostaram nessa interação. O objetivo era que as pessoas, além de comprarem os famosos donuts, também consumissem o café. Em Seoul, capital da Coréia do Sul, a empresa instalou um dispensador de aroma com cheiro de café em ônibus de transporte público da cidade. O resultado? A ação impactou mais de 350.000 pessoas e aumentou as vendas de café em 29%.

Reconhecimento facial

Além da interação, as telas também podem fazer reconhecimento facial dos clientes. Através de uma câmera, o sistema terá acesso a informações como gênero, idade, reação ao conteúdo e o tempo que visualizou o anúncio. Dessa forma os anúncios podem ser segmentados e específicos para quem está olhando para a tela. Se o cliente for homem, a tela pode mostrar anúncios de roupas masculinas, se for mulher, roupas femininas. Poderá também gerar um relatório que mostra em detalhes qual tipo de público visualizou o anúncio.

Comunicação no Ponto de Venda

Seja através de smartphones, televisões ou computadores, as telas estão sempre presentes na nossa rotina. O uso de um display digital no PDV é uma excelente forma de fisgar a atenção dos clientes.

A Mídia Indoor abrange toda utilização de recursos digitais para divulgar uma marca dentro de um espaço fechado. A diferença desse tipo de mídia para os tradicionais outdoors está na segmentação do público, e é exatamente por esse motivo que ela é mais atrativa. São exemplos: anúncios em balcões de farmácias, restaurantes, supermercados, lojas de roupa, entre tantas outras formas de ativação interna.

Esses recursos contam com luzes, cores, vídeo e áudio que chamam muito mais atenção das pessoas em trânsito. Usando a mídia indoor, sua empresa pode exibir informações sobre produtos e serviços, ofertas e muito mais. Além disso, quando são colocadas em filas de caixas, as telas ajudam a reduzir o tempo de espera percebido pelo cliente, aumentando as chances de que ele tenha uma experiência de compra positiva.

Essas soluções podem parecer caras a princípio, mas a verdade é que sua empresa pode implementar muitas delas sem precisar gerar grandes despesas para o negócio. Investir em um software para gerenciar a sinalização digital lhe ajudará a aprimorar o ponto de venda e também outros processos de comunicação em sua empresa.